Uma cachorra da raça border collie conseguiu farejar câncer numa menina de 3 anos. Ela foi diagnosticada com leucemia linfoblástica.

Cachorra conseguiu farejar câncer em menina de 3 anos.
Evening Gazette
Cachorra conseguiu farejar câncer em menina de 3 anos.


Ter cachorro é uma das melhores coisas dessa vida. Eles dão alegria, vitalidade. Nos fazem companhia em momentos de tristeza. São de verdade nossos melhores amigões nessa vida. E mais do que isso. Uma cachorra da raça border collie conseguiu "farejar" que sua amiga, Pippa Woods, uma linda menina de 3 anos, infelizmente estava com câncer.

Leia mais:  Com o fim do relacionamento, ele ficou com os dois cachorros e história emociona

Os pais da menina, Paula e Philip, começaram a achar muito estranho o comportamento da cachorrinha Bessie. Ela simplesmente se recusava a sair de perto da menina. A família que é de Brotton, North Yorkshire, no Reino Unido, imediatamente procurou um médico e teve o diagnóstico: leucemia linfoblástica aguda. Isso aconteceu em maio desse ano.

A boa notícia

Com a identificação precoce da doença, a menina começou seu tratamento com quimioterapia e o câncer já está em estado de remissão.

“Temos sido abençoados. A detecção precoce explica a remissão. Somos gratos pela ajuda da nossa cachorrinha”, afirma o pai da garota.

Pippa Woods em fase de quimioterapia, junto com seus pais, Paula e Philip.
Evening Gazette
Pippa Woods em fase de quimioterapia, junto com seus pais, Paula e Philip.


Especialistas acreditam que até 2018, caso as coisas continuem nesse caminho, ela poderá terminar o tratamento.


O que é a leucemia linfoblástica?

Tipo de câncer do sangue e da medula óssea que afeta o crescimento de células sanguíneas imaturas. É considerada rara.

- Menos de 150 mil casos por ano (Brasil)
- Tratável por um médico
- Requer um diagnóstico médico
- Sempre requer exames laboratoriais ou de imagem
A LMA progride rapidamente, e as células mieloides interferem na produção normal de glóbulos brancos e vermelhos e de plaquetas. Os sintomas incluem fadiga, infecções constantes e surgimento de hematomas com facilidade. Os tratamentos incluem quimioterapia, outras terapias com remédios e transplantes de células-tronco.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.