A cadela foi resgatada bastante doente e debilitada, e graças ao amor e cuidado de seus tutores, conseguiu lutar pela vida. Confira a história de Elsa.

Elsa
Antônio Roberto Rocha Junior
Elsa




Em março de 2015, o casal Antonio e Manoela, chegaram até a cadela Elsa e souberam de sua história. Através de uma postagem sobre adoção no perfil no facebook de Ana Melo, que havia resgatado a vira-lata há cerca de um mês, o casal que buscava um cachorro pra adoção, foram até clínica onde ela estava internada, conhecê-la. 


Leia mais:  Gatos cegos em um tocante ensaio sobre adoção


A situação da cadela Elsa, não era nada animadora, acometida por uma hemovirose, a erliquiose monocítica canina (doença do carrapato), ela lutava pra viver. Pesando apenas 3,5kg, com as 4 patas e parte de uma orelha bastante feridas por causa da doença, a cadelinha não desistia e assim, Antonio e Manoela resolveram não desistir dela também. 

Durante o tratamento, Elsa foi apresentando melhora e ganhando peso. Porém, suas patas não melhoravam e por causa do estado já avançado de necrose, dois dedinhos caíram e com isso, veio a notícia que o casal não esperava. 


A amputação


Através das veterinárias que tratavam da cadela, eles souberam que as patas da cadela precisaram ser amputadas, que não existia outro solução. Mas se mantiveram fortes e dispostos a continuar lutando do lado de Elsa, que a todo momento demonstrava força e vontade de viver.

Ao todo, foram longos quatro meses de internação e recuperação até que finalmente, com 8kg, a cadela pode finalmente ser levada pra casa e a partir desse momento, começar uma nova vida.

Apesar de ter ganhado peso e de ter melhorado bastante, a parte muscular ainda estava bastante debilitada e fraca e assim, o casal começou a fazer para ela, uma botinha pra cada pata, feita com algodão, gase e atadura e com isso, Elsa podia caminhar. Eles encontraram também, pequenas meias com antiderrapante na sola, que proporciona mais estabilidade e equilíbrio no caminhar. Hoje, cerca de 1 ano após ir pra casa, a cadela corre, pula, brinca, sobe no sofá, leva uma vida normal. 

A cadela Elsa com suas meias de panda.
Antônio Roberto Rocha Junior
A cadela Elsa com suas meias de panda.




"Dia sim dia não, temos que fazer estas botinhas, pois a pele aonde foram amputadas é muito sensível e machuca com facilidade, então a noite temos que tirar para a pele respirar e na manhã seguinte fazemos tudo novamente" nos contou Antonio.

"É sim muito trabalhoso, mas o olhar de gratidão que vemos nela todos os dias, compensa tudo", finalizou ele. 


Veja mais imagens de Elsa durante e após o tratamento.



Elsa no dia que foi resgatada, durante o tratamento e já com as patinhas amputadas
Ana Melo
Elsa no dia que foi resgatada, durante o tratamento e já com as patinhas amputadas


Elsa e seu abajur
Ana Melo
Elsa e seu abajur


Elsa em casa
Antônio Roberto Rocha Junior
Elsa em casa



Elsa tranquila no sofá com sua visão de raio x, hahahaha.
Antônio Roberto Rocha Junior
Elsa tranquila no sofá com sua visão de raio x, hahahaha.




Elsa tomando um banho de sol
Antônio Roberto Rocha Junior
Elsa tomando um banho de sol




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.